Pra te Abraçar

Em Pra Te Abraçar, Iara apresenta músicas inéditas, na maioria compostas já durante o período pandêmico. São sete duetos, com participação dos respectivos parceiros na autoria de cada faixa: Céu, Thalma de Freitas, Joy Espíndola, Alzira E, Duda Brack, Ava Rocha e Josyara, além de cinco faixas, onde a autora sola, dentre elas parcerias com Tiganá Santana, poeta arrudA, Lucina e Peri. O álbum mostra um tipo de registro fonográfico inédito na discografia da artista, bastante intimista, onde as canções estão praticamente nuas e recém nascidas. Com exceção das faixas Virá (com teclados tocados por Céu) e Sol a Sol (com Alzira E no baixo e Peri Pane no cello), o acompanhamento é apenas o violão. Os registros foram feitos a partir da web série homônima, produzida entre março e abril de 2021

AfrodisíacA

Dentro da poética do amor e da sexualidade - atributos de Afrodite - o disco reúne gravações de diferentes épocas com as faixas-poema criadas a partir do livro de poesia erótica Língua Brasa Carne Flor (Iara Rennó, Editora Patuá, 2015) tendo como identidade visual um ensaio realizado pela fotógrafa Caroline Bittencourt.

AfrodisíacA é uma transa de poesia e música, que começa num ensaio fotográfico, trans_forma-se em vídeo arte, ganha sabores na gastronomia, e por essência nasce para incitar a (re)descoberta do prazer feminino. Parindo conteúdos de ouvir, ver e degustar através dos cinco (ou mais) sentidos, AfrodisíacA engendra em si significantes e significados em arte sinestésica e intersemiótica.

Macunaíma Ópera Tupi

Lançado originalmente em 2008, o disco finalmente chega às plataformas digitais pelo selo SESC. A obra já virou referência de criação musical a partir do livro modernista de Mário de Andrade, Macunaíma - O Herói Sem Nenhum Caráter (1928). Desde então, o espetáculo que nasceu com o álbum segue com leituras e montagens em diferentes formatos.

Atuando como cantora, compositora, instrumentista, arranjadora e produtora musical, Iara Rennó mostra composições feitas de fragmentos do texto de Macunaíma – O Herói Sem Nenhum Caráter, de Mário de Andrade (1928). 

Iaiá e os Erês

Capa Iaia e os Eres.png

Primeiro projeto infantil de Iara, Iaiá e os Erês surge de músicas feitas para crianças e em parceria com elas. O disco tem a produção musical de Iara Rennó e Lucas Martins, participação de diversos músicos e traz canções inéditas, incluindo parcerias com filhos de artistas como Ava Rocha, Anelis Assumpção e Curumin, Moreno Veloso, Nina Becker e Marcelo Callado. A arte da capa/ encarte ficou por conta de MZK. As músicas do álbum também compõe a trilha do programa Pratinho da Iaiá (Tv Rá Tim Bum/ Tv Cultura), onde Iara atua como a apresentadora/ persona, Iaiá.

(YB Music/ e Tratore), 2018.

Arco

Produzido por Iara Rennó (guitarra e voz) e com banda formada juntamente com Mariá Portugal (bateria, voz e programação) e Maria Beraldo Bastos (clarone e voz), o disco traz músicas autorais e inéditas, com parceiros como Alice Ruiz, Alzira E, além de uma música composta sobre fragmentos de textos de Eduardo Viveiros de Castro. Com textura sonora bastante diversa a de seu duplo oposto-complementar, FLECHA, o ARCO é um disco de mulheres, sobre libertação e autonomia, sem com isso ter um caráter panfletário. Projeto gráfico de Rodrigo Sommer.

(YB Music e Selo Circus, 2016)

Flecha

O álbum surge do re-encontro musical com Curumin, e sua parceria na produção. Junto com Lucas Martins (baixo e synths), Gustavo Cabelo (guitarra), Maurício Badé (percussão), Maurício Fleury (guitarra e synths), Cuca Ferreira (sax barítono), Daniel Gralha (trompete) e Douglas Antunes (trombone), Iara (voz e guitarra) e Curumim (bateria e programações) atuaram também como músicos e arranjadores. No repertório músicas com Gustavo Galo, Paulo Leminski, Domenico Lancellotti e Bruno di Lullo, entre outros. Com as participações especialíssimas de Ava Rocha e Mãeana. Projeto gráfico de Rodrigo Sommer.

(YB Music e Selo Circus, 2016)

Iara

Produzido por Moreno Veloso, o álbum foi gravado por Iara (guitarra e voz), Ricardo Dias Gomes (baixo-synth) e Leo Monteiro (bateria e samplers). Nas palavras de Romulo Fróes: “Antes de mais nada é preciso dizer uma coisa: I A R A é um disco de rock! E aqui, não me refiro ao gênero, mas ao espírito transgressor próprio do estilo em seus melhores momentos. (...) Reconhecemos nele a grande obra que Iara Rennó vem construindo ao longo de sua carreira, ao mesmo tempo que nos surpreendemos com sua reinvenção."

Filme Brasileiro

Em 2001, ao lado de Andréia Dias e Anelis Assumpção, Iara Rennó formou o bando DonaZica, cuja música e performance marcou a cena paulistana no início dos anos 2000. Juntaram-se a elas os músicos Gustavo Ruiz, Simone Sou, Alfredo Bello, Simone Julian, Gustavo Souza, Guizado e Mariá Portugal. COMPOSIÇÃO (Tratore, 2003). produzido por Iara Rennó e Alfredo Bello com colaborações de Beto Villares e Buguinha Dub, foi o álbum inédito que apresentou a banda e as cantoras compositoras que ali iniciavam sua história discográfica. Em 2005 lançam o álbum FILME BRASILEIRO (Elo Music). Produzido a partir de composições de Iara e Andréia, como "Salve" e "Vixe Maria", somando parcerias como "Desperte" com Alzira E e "Nua e Crua" com Bnegão, o disco apresenta também os primeiros registros autorais de Gustavo Ruiz (Ensaiadinho) e Guizado (Nua e Crua), além de "Mulher Segundo Meu Pai", de Itamar Assumpção.

Composição

Em 2001, ao lado de Andréia Dias e Anelis Assumpção, Iara Rennó formou o bando DonaZica, cuja música e performance marcou a cena paulistana no início dos anos 2000. Juntaram-se a elas os músicos Gustavo Ruiz, Simone Sou, Alfredo Bello, Simone Julian, Gustavo Souza, Guizado e Mariá Portugal. COMPOSIÇÃO (Tratore, 2003). produzido por Iara Rennó e Alfredo Bello, foi o primeiro álbum lançado, todo inédito, apresentando a banda e as cantoras compositoras que ali iniciavam sua história discográfica. Em 2005 lançam o álbum FILME BRASILEIRO (Elo Music). Produzido a partir de composições de Iara e Andréia, como "Salve" e "Vixe Maria", somando parcerias como "Desperte" com Alzira E e "Nua e Crua" com Bnegão, o disco apresenta também os primeiros registros autorais de Gustavo Ruiz (Ensaiadinho) e Guizado (Nua e Crua), além de "Mulher Segundo Meu Pai", de Itamar Assumpção.

A.B.R.A. Pré-Ca

Disco produzido por Cibelle e Iara Rennó à partir de sessões ao vivo das marchinhas originais compostas no carnaval de 2011. Com Rubem Jacobina a parceria de composição somaram-se os músicos Ricardo Dias Gomes, Marcelo Callado, Gustavo Benjão e Gabriel Mayal, todos do Do Amor, para gravar o disco e botar o bloco na rua. O álbum foi lançado em fevereiro de 2012.